Nossa Campanha

“Exemplo, exemplo e exemplo…”

Category:

Nossa Campanha

Flavio KelnerO arquiteto Flavio Kelner é uma das pessoas mais carismáticas de nossa comunidade. Ativista da Macabi e do A.Liessin, ele traz em seu DNA a dedicação ao ativismo social. Como ele mesmo diz nessa  entrevista, tudo é uma questão de “exemplo, exemplo, exemplo”. E isso não é só retórica. A vida de Flávio, com certeza, já é cheia de belos exemplos.

” Certa vez, viajei para Cartagena, junto com a Edith Napchan, diretora do A.Liessin, para participar do Congresso Judaico Latino Americano …Antes do embarque, no caminho do taxi para o aeroporto do Galeão fui falando no celular, resolvendo as últimas providencias antes de viajar. Na hora de pagar, o motorista perguntou o que me desejar, se boa viagem de férias ou bom trabalho? Respondi que nem uma coisa, nem outra, que ele me desejasse boa sorte, pois estava indo me inspirar para tentar fazer desse mundo um lugar melhor para nós e para as gerações futuras!”

. O que Israel representa em sua vida?

-Desde criança aprendi com meus pais que tínhamos que nos manter conectados com o Estado de Israel e lembro que os cofrinhos do KKL lá em casa, já eram uma conexão.  Na minha mente de criança pequena, imaginava as árvores sendo plantadas em um lugar que só conhecíamos por fotos e histórias. Naquela época, Israel também era bem mais jovem.
Meus pais sempre contavam que Israel é o nosso porto seguro, que se algo acontecesse aqui no Brasil, lá seria o lugar que teríamos que  morar. Então, trazendo para os dias de hoje, é indissociável imaginar um judeu na diáspora, sem pensar em suportar o Estado de Israel da forma que mais lhe for interessante.  

. Por que é contribuinte do Fundo Comunitário?

– Sempre vi meus pais apoiando essa entidade e eles me passaram essa responsabilidade, que veio de forma natural e consciente.

. Fale um pouco sobre sua vida comunitária.

– Mais uma vez, o exemplo vem de casa, onde meus pais e irmãos trabalham voluntariamente para a nossa Comunidade.  Não podia ser diferente e me engajei na escola que meus filhos estudam. Faço parte do Conselho do Diretório de Pais do A.Liessin há 10 anos, do qual fui presidente de 2008 a 2010.

Certa vez, viajei para Cartagena, junto com a Edith Napchan, diretora do A.Liessin, para participar do Congresso Judaico Latino Americano. Deixei meu trabalho profissional por uma semana, isso em plena epidemia da gripe suína, quando as pessoas no aeroporto do Panamá estavam usando máscaras para se proteger.

Antes do embarque, no caminho do taxi para o aeroporto do Galeão fui falando no celular, resolvendo as últimas providencias antes de viajar. Na hora de pagar, o motorista perguntou o que me desejar, se boa viagem de férias ou bom trabalho? Respondi que nem uma coisa, nem outra, que ele me desejasse boa sorte, pois estava indo me inspirar para tentar fazer desse mundo um lugar melhor para nós e para as gerações futuras!

. Você acha que a comunidade judaica do Rio de Janeiro é ativa em relação aos fatos que ocorrem no mundo em relação aos judeus?

– No meu meio social, consigo perceber um engajamento de todos, mas sei que a realidade é bem diferente principalmente por causa da assimilação. Tentamos fazer muita coisa, mas sei que temos que fazer muito mais, esse é o objetivo do grupo que convivo.

. Qual é hoje a prioridade dos judeus em relação ao fortalecimento da nossa comunidade?

– Tentar conscientizar o máximo de pessoas, jovens e crianças sobre a importância das Instituições Judaicas,  como escolas, sinagogas, movimentos juvenis e clubes, estarem fortalecidas.

No A.Liessin lutamos incessantemente para isso e a parceria com o Fundo no projeto inovador da Marcha da Vida, que começamos há alguns anos, é hoje um sucesso. Como disse um amigo meu, esse projeto é uma tatuagem com uma marca judaica na alma dos nossos jovens.

Este ano lançamos a Marcha da Vida para os pais dos alunos do A.Liessin, também em parceria com o Fundo Comunitário. Cito também:

A Macabi, com seus eventos esportivos que educam através do esporte e conectam os atletas a Israel. Quer seja levando jovens às macabíadas mundiais, quer seja nas Copinhas, onde as crianças defendem times com nomes das cidades de Israel. Quando vão visitar Israel fazem questão de conhecer a cidade do time deles, iniciativa que culminou num projeto de três equipes de Futsal que defendem os escudos da Macabi e Hebraica.

O Hillel, com seu trabalho de conscientização e aproximação dos jovens com Israel. Quer seja através de atividades semanais ou através do programa Taglit, que já deve ter levado mais de 800 jovens pela primeira vez a este país. Muitos deles tiveram a emoção de celebrar seu Bar ou Bat Mitzvah lá, já que não realizaram na idade apropriada. Hoje, voltando ao Brasil esses jovens advogam pró Israel e passam esses exemplos aos que chegam à casa do Hillel.

A Wizo, que faz um trabalho brilhante de suporte a Israel, através do trabalho pela causa judaica e onde as mais experientes vão contaminando as mais novas a seguir com esse lema.

Enfim, reforçando as Instituições automaticamente vamos reforçar a nossa comunidade com representatividade na comunidade maior.

. Fale sobre o seu trabalho profissional e áreas de atuação.

-Fui atleta macabeu e participei de algumas macabíadas panamericanas e mundial. Me formei em Arquitetura e montei meu escritório há 25 anos com dois sócios.  Hoje temos sede no Rio de Janeiro e em São Paulo, com mais de 100 colaboradores.

Procuro passar para o meu time o sentido da tzedakah e desenvolvemos alguns projetos para instituições filantrópicas, gratuitamente, como forma de dar o exemplo para todos e obviamente viabilizar a execução de algumas obras de nossas Instituições.

Atualmente estamos terminado as obras da expansão do A.Liessin da Barra e da nova Sinagoga da rua Nascimento Silva.

. Fale sobre a sua família e a herança judaica que seus pais passaram para você?

– Como relatado acima respirei e continuo respirando judaísmo e trabalho voluntário na minha casa.

Meu Pai é membro da Associação Nacional de Advogados e Juristas Brasil Israel, foi responsável pela conquista de Títulos de Utilidade Pública de inúmeras  Instituições Judaicas do Rio de Janeiro e sempre me mostrou a importância desse trabalho voluntario.  Recentemente ele estava indo para Petrópolis quase toda  semana, um dia perguntei: pai qual é a causa que tanto te leva para Petrópolis? Para minha surpresa, não era a trabalho e sim para uma instituição judaica. Questionei por que ele não mandava alguém do seu escritório e ele me respondeu que essa era a sua causa e que ele teria que tomar conta, ou seja , exemplo , exemplo , exemplo.

Minha mãe é presidente da Wizo Brasil já na sua segunda gestão e sempre conversamos de como ajudar a incrementar nossas ações em prol da Comunidade.

Minha irmã Marcia é Diretora do Hillel America Latina , atualmente morando em Israel,  e conversamos muito sobre as diferenças do dia a dia, lá e cá, mas sempre concluímos que temos muito a fazer pela nossa Comunidade local e Israel.

Meu irmão Bernardo trabalha no Diretório de Pais do Barilan e divide com meu pai as causas para as quais trabalham voluntariamente para instituições judaicas.

Minha esposa trabalha como voluntária no projeto Mitzvah Day e está muito empolgada em ajudar a essa causa tão nobre, seguindo também o caminho de seus avós e pais.

Como citei anteriormente, “exemplo, exemplo e exemplo” é o meu lema para educação dos meus filhos e dos jovens com quem convivo.

 Yasher Koach para os ex Presidentes e boa sorte para o Ilan Goldman na sua gestão.